Vidigal, jogador do E. Amadora, após a derrota frente ao Sporting, clube que já representou:

[Como foi defrontar o Sporting?]

«Tranquilo. É uma casa que sinto como se fosse minha. Continuo a admirar o clube, as pessoas e a torcer para que tudo dê certo. Como adversário tentei dignificar o meu clube, mas o Sporting foi superior e a vitória é justa.»

[O que sentiu quando foi ovacionado pelos adeptos leoninos?]

«É tremendo. É muito importante ver que o que fizemos é reconhecido. Mas isso não acontece apenas quando jogo frente ao Sporting, mas também na rua quando as pessoas me encontram.»

[Como viu o lance já no final em que quase marcou?]

«No futebol é assim. Queria meter a bola lá dentro, mas não consegui.»

[Como capitão, como vê a situação dos fisioterapeutas, que apresentaram a demissão?]

«É com muita tristeza que enfrentamos isso. É preocupante podermos passar a trabalhar sem departamento clínico. Não é preocupante apenas para o Estrela, mas também para o futebol português. Porque este tipo de coisas não afecta só a nossa equipa. Não podemos permitir que este tipo de situações aconteçam. Situações que fazem lembrar o terceiro mundo.»