«Não é muito diferente do que aconteceu na minha passagem pelo FC Porto, em 2010/11. Se esta vantagem é significativa ou pode ser encurtada? Jesus vai refutar esta ideia, mas os factos são o que são, e a tendência é para que o FC Porto se tornar mais competitivo à medida que a prova avança», começou por defender.

«Claro que isto pode mudar. O Benfica pode inverter o ciclo, o FC Porto pode escorregar, até porque o Sporting está muito mais competitivo e o Sp. Braga também parece forte, mas no Porto, normalmente, estes ambientes de pressão são bem vindos, e quando teve vantagem não a desperdiçou», acrescentou.

André Villas-Boas esteve com Jorge Jesus e Paulo Fonseca no Fórum de Treinadores de Elite da UEFA. José Mourinho acabou por cancelar a presença, mas em todo o caso o treinador do Tottenham diz que a representação lusa «não vem por acaso, mas pela competência destes nomes e de outros». «Passa também pela cultura de emigração que existe em Portugal, pela capacidade para aprender novas línguas e perceber novas culturas. A nossa adaptabilidade, em conjunto com a competência, é algo que nos deve deixar orgulhosos», sustentou.

[artigo original: 16h19]