Gil Vicente entrou a cantar de galo, mas os conquistadores abafaram o pio. O Gil Vicente foi para o intervalo a vencer por 2-0, mas uma excelente segunda parte do Vitória de Guimarães valeu o empate. Numa espetacular partida de futebol, daquelas que fazem valer cada euro pago pelo bilhete, as equipas tiveram de se contentar com a divisão de pontos.

Os de Barcelos começaram melhor, falharam uma grande penalidade, mas chegaram à vantagem por Claude. Kraev aumentou a contagem e o galo foi a cantar para o intervalo. No segundo tempo, o Vitória foi conquistador e dominou por completo o galo, que acabou por adormecer à sombra do resultado. Ainda assim, os barcelenses continuam sem derrotas perante os seus adeptos e permanecem no meio da tabela. Os de Guimarães, com a igualdade, falharam a aproximação a Sporting e Famalicão.

Os dois treinadores prometeram um bom jogo e não desiludiram. As duas formações mostraram bem cedo que iam jogar para os três pontos e que iriam privilegiar o ataque. Os vimaranenses entraram fortes, porém foram os de Barcelos a criar a primeira oportunidade. Mikel Agu foi displicente e carregou na área Sandro Lima. Carlos Xistra assinalou de pronto o castigo máximo. Contudo, o goleador dos galos, na conversão, não conseguiu enganar Douglas, que segurou o empate.

Os galos entusiasmaram-se e, logo de seguida, Henrique Gomes, com um cruzamento/remate, ficou perto do golo. O guarda-redes vimaranense, com um excelente voo, impediu a vantagem local e deu força à equipa. Ato contínuo, Ola John trabalhou bem na esquerda e cruzou para o desvio de Bonatini, que Denis respondeu com uma grande defesa.

O jogo estava vivo e o golo podia surgir em qualquer baliza. Acabou por aparecer na de Guimarães. Num mau alívio de Tapsoba, o esférico sobrou para a entrada da área onde Claude, de esquerdo e de primeira, rematou para o fundo das redes. O Vitória sentiu o golo e acabou por sofrer o segundo, numa fantástica jogada coletiva. Kraev finalizou da melhor forma e colocou o marcador em 2-0.

Ivo Vieira não gostava da performance da equipa e fez duas alterações ainda antes do intervalo fez duas alterações: tirou Mikel Agu e Ola John e reforçou o ataque, colocando Pepê e Bruno Duarte. Ainda assim, até ao descanso os vimaranenses não conseguiram alterar o rumo do encontro.

No entanto, na segunda parte entraram com tudo e, empurrados pelos milhares de adeptos presentes em Barcelos, encostaram os galos às cordas. Vítor Oliveira percebeu que não ia conseguir ter tanta bola como no primeiro tempo e refrescou os flancos para dar velocidade ao contra-ataque. O Vitória estava por cima do jogo e reduziu. Edwards inventou a jogada, tabelou com Bonatini e finalizou.

Renascia a esperança dos de Guimarães em levar de Barcelos um resultado diferente. Os gilistas tentavam sair no contra-golpe, contudo sem a qualidade exibida no primeiro tempo. Com o relógio a caminhar a passos largos para o final da partida, Pepê, que havia saltado do banco ainda no primeiro tempo, marcou o golo que trouxe justiça ao resultado.