O Famalicão está de volta ao pódio da I Liga! Com uma exibição segura, os famalicenses venceram em casa o Vitória de Setúbal e aproveitaram o desaire do leão para subir ao 3.º lugar do campeonato. Foi o regresso às vitórias da formação orientada por João Pedro Sousa, que já não vencia para a Liga desde outubro.

Pedro Gonçalves foi gigante num jogo em que a turma minhota foi quase sempre melhor. O médio marcou o primeiro e o ponta de lança Anderson, hoje titular, confirmou o triunfo, numa bela partida de futebol. Ah! E para finalizar um excelente jogo, nada melhor do que uma obra de arte. Uros Racic foi o autor. Vale a pena ver e rever.

Os dois emblemas entravam em campo com perspetivas europeias. O Famalicão, em caso de triunfo, passava o Sporting, que havia perdido minutos antes com o FC Porto, e subia ao terceiro lugar. Também o Vitória de Setúbal, caso vencesse, ultrapassava Tondela, Vitória de Guimarães e Sporting de Braga e fixava-se no 5.º lugar. As perspetivas de um bom jogo acabaram por se confirmar.

O início da partida foi equilibrado. As duas equipas encaixaram na perfeição nos primeiros 15 minutos e, por isso, os guarda-redes eram meros espetadores. Os sadinos confundiam os famalicenses na saída de bola, uma vez que Nuno Pinto, lateral esquerdo, subia para o meio campo em vez de subir pela lateral. Porém, aos poucos, os de Famalicão foram percebendo as movimentações do opositor e começou a tomar conta do jogo.

A equipa da casa começou a controlar as operações e foi subjugando os setubalenses. Julio Velazquez bem pedia aos seus jogadores para estarem mais ativos, mas, ainda assim, não conseguiram evitar o golo local. Racic, com uma excelente desmarcação, abriu na direita em Diogo Gonçalves que cruzou rasteiro para o segundo poste, onde outro Gonçalves, o Pedro, só teve de encostar.

Corria bem a vida à equipa da casa, que ainda esteve perto de fazer o segundo, novamente por Pedro Gonçalves. Num balão, viu a trave evitar o golo, embora parecesse que Makaridze tivesse o lance controlado. Do outro lado, Rafael Defendi só por uma vez foi chamado a intervir, numa cabeçada de Jubal que obrigou o guardião a aplicar-se.

O técnico sadino lançou Ghilas para o segundo tempo e, pouco depois, juntou-lhe Mansilla. O Vitória começou a chegar com mais perigo à área contrária, mas só a espaços porque era o Famalicão que mandava no jogo. Os locais começaram a criar cada vez mais perigo junto da baliza de Makaridze. Depois de Pedro Gonçalves ter falhado escandalosamente o segundo, Anderson, que tanto tentou, acabou por fazer o gosto ao pé e dar tranquilidade à equipa.

Os vitorianos subiram no terreno em busca de, pelo menos, chegar ao tento de honra, mas foram sempre presa fácil para os de Famalicão. Acabaram mesmo por ser os da casa a chegar ao golo. E que golaço! Uros Racic apanhou o esférico à entrada da área, puxou para o pé esquerdo e rematou em arco ao ângulo da baliza sadina, fechando com chave d’ouro um excelente jogo.