Flávio Meireles, líder exemplar
Segundo golo em jogos consecutivos, terceiro na Liga 2007/08. Um dado importante, naturalmente, e exemplificativo da enorme evolução patenteada por Flávio Meireles. Líder no balneário, líder no relvado. Muito concentrado, perfeito na recepção e circulação da bola, criterioso no destino a dar ao esférico. Um ponto nevrálgico no futebol do Vitória, um elemento indispensável para Manuel Cajuda. É um médio em estado de pura maturação. Exemplar.
Andrezinho, confortável
Este brasileiro é o lateral ideal para um jogo com estes condimentos. Sabendo-se, por força de toda a conjuntura, que o Vitória teria obrigatoriamente que vencer o Estrela, Andrezinho seria sempre um elemento muito importante. O Estrela defendeu competente desde o início, bloqueou bem os movimentos de Alan e Desmarets e apresentou muitos homens atrás da linha da bola. Cajuda encontrou, então, neste defesa uma forma de desequilibrar as linhas da Amadora. E Andrezinho soube fazê-lo muito bem, de resto. O golo obtido perto do final é um prémio muito justo.
Alan, o golo, enfim
E à 30ª tentativa Alan lá conseguiu acabar um jogo com um golo marcado. Já não era sem tempo. Este extremo cedido pelo F.C. Porto realizou uma excelente temporada, marcada pelos ritmos fortes, dinâmica contagiante e confiança exacerbada. Mas faltava-lhe qualquer coisa na hora de rematar às balizas adversárias. Esta noite, com alguma sorte à mistura, lá conseguiu desfeitear Pedro Alves e acabar com um jejum que já durava há tempo a mais.
Manuel Cajuda, o homem do leme
O comandante desta embarcação teria sempre que ser destacado nesta altura. Muitas vezes incompreendido, tantas outras criticado no passado, o treinador algarvio só merece elogios pelo trabalho desenvolvido com paixão e ardor em Guimarães. Geriu o plantel com mestria, retirou deste grupo de trabalho tudo o que poderia dar e o terceiro lugar é um prémio e um tributo absolutamente justos para um homem com uma carreira bonita no futebol. Parabéns Manel!
Hélder Cabral, raízes pontualmente renegadas
Formado nas escolas do Vitória, renegou as suas raízes durante 90 minutos. Muito boa a actuação deste lateral ao longo de grande parte do tempo. Mesmos sem o apoio devido de Ndiaye, o homem que actuava à sua frente, anulou vezes sem conta as iniciativas de Alan e Andrezinho, e ainda teve forças para subir aos domínios contrários. Cresceu muito durante esta temporada.
Mateus, obssessão pelo ataque
Futebol moleque, habilidade honesta, paixão pela bola, obssessão compulsiva no domínio do jogo ofensivo do Estrela. Só sabe atacar, mas deve ser compreendido. É um daqueles jogadores que merece rédea solta, tal a qualidade que emprega às suas acções. Merece palcos de maior visibilidade. Indiscutivelmente.