Orlando Marque Henriques Mendes, de 49 anos, e Moisés Natalino de Jesus, de 31, foram condenados respetivamente a 24 e a 20 meses de prisão pela sua participação na «conspiração criminosa». O primeiro foi ainda condenado a uma multa de mil dólares de Singapura, cerca de 655 euros.

A decisão do tribunal foi anunciada na sexta-feira, 24 horas depois dos timorenses reverterem a sua declaração inicial, passando a declarar-se culpados de participação no caso.

Orlando, que era o diretor técnico da Associação de Futebol de Timor-Leste, e o outro timorense foram acusados de aceitar subornos para oferecer aos jogadores da equipa de futebol Timor-Leste, para que perdessem o jogo com a Malásia 30 de maio último.

As investigações foram conduzidas pelo departamento de práticas de corrupção (CPIB) que deteve os dois timorenses e os seus co-conspiradores, o indonésio Nasiruddin e o singapurense Rajendran R. Kurusamy antes do jogo, que terminou 1-0 a favor da Malásia.

Nasiruddin e Rajendran - considerado no tribunal como o maior responsável por combinar resultados de jogos (match-fixing) de Singapura - já se tinham declarado culpados no seu julgamento, tendo sido condenados, respetivamente, a 30 meses e 48 meses de prisão.

Em comunicado a CPIB sublinha que Singapura adota «uma política de tolerância zero em relação à corrupção e viciação de resultados, que não se tolerada em qualquer formato».

«O CPIB não hesitará em tomar medidas contra qualquer parte envolvida em atividades relacionada com a manipulação de resultados», refere o comunicado.