«Não fiquei revoltado com a substituição. A minha indignação foi por acabar ali a minha participação. Não podia fazer mais nada para inverter a situação. Esclareci isso na zona mista, após o jogo, e junto do treinador. Respeito a decisão», disse o internacional brasileiro, em entrevista à «Globoesporte».

Seja como for, a opção do técnico foi muito discutida. As críticas não estiveram limitadas aos jornais espanhóis, e partiram até do próprio empresário de Kaká. Ainda que tenha dito que era uma opinião de adepto, o que é certo é que Diogo Kotscho chamou «cobarde» a Pellegrini, via Twitter. «Eu ainda estava em campo quando ele escreveu isso, pelo que não foi combinado. É a opinião dele. Eu não concordo», disse Kaká, que garante ter uma boa relação com o técnico chileno: «Nunca tive problemas com nenhum treinador. Tem-me dado muito apoio.»