Funcionários do clube apressaram-se a limpar os escritos e, quando os jogadores chegaram para o treino, os muros já tinham várias demãos de tinta a esconder os «graffiti».

Na quarta-feira vários adeptos tinham-se dirigido já à Academia para contestar de viva voz jogadores e treinador.