Estes são dados recolhidos a partir do Atlas Digital elaborado pelo «CIES – Observatório do Futebol» cuja atualização para 2015 foi revelada nesta segunda-feira. Nesta análise global de 31 (primeiras) ligas europeias sob oito parâmetros – envolvendo um universo de 460 clubes – há vários registos com importância significativa para o quadro das competições internas de futebol quer no âmbito nacional quer no âmbito continental – e há algumas que se cruzam nos âmbitos relativamente às equipas portuguesas, como acontece no caso das idades, já em outra altura frisado aqui como aconteceu com o Nacional.

Os oito parâmetros de avaliação do Atlas respeitam à média etária, à altura média, à permanência num clube em média de anos, à média de contratações por clube de uma liga; à média de estreantes no futebol sénior profissional; à percentagem de jogadores formados nos clubes de uma liga; à percentagem de estrangeiros nos campeonatos; e à percentagem de jogadores internacionais por liga – estes dados gerais de comparações entre campeonatos refletem as respetivas tabelas locais também apresentadas no Atlas.

Uma das atualizações reveladas nesta segunda-feira dá conta daquilo mesmo referido há pouco, ou seja, da fusão nos índices mais significativos das tabelas gerais dos índices locais que respeitam à Liga portuguesa. Na análise à média de estrangeiros em cada liga pela percentagem dos respetivos clubes, o FC Porto é o sétimo plantel em absoluto com mais jogadores com outra nacionalidade que não a do país de origem do clube: a percentagem de estrangeiros no Dragão é de 79,2%.

O Estoril é um dos clubes que também aparece no «top 20» absoluto e não fica assim tão longe dos portistas nos valores. Com 73,1% de não portugueses no plantel, a equipa «canarinha» está entre o grupo dos 15ºs de todas estas ligas europeias em análise.

Estrangeiros em percentagem média uma liga:

Mais alto – Chipre: 66,4

Mais baixo – Sérvia: 15,7

O clube com o valor absoluto mais alto é o Zavrc (Eslovénia); 88

Portugal é o 6º colocado nas ligas: 50,9

Em Portugal, o FC Porto tem o valor mais alto: 79,2

O Belenenses tem o valor mais baixo: 3,8

Apenas 3 equipas de 460 das 31 ligas em análise pelo CIES não têm estrangeiros: HIFK Helsínquia (Finlândia); Gomel (Bielorrússia). e Pribram (Rep. Checa).

Internacionais em percentagem média de uma liga:

Mais alto – Inglaterra: 41,4

Mais baixo – Eslovénia: 2

O clube com o valor absoluto mais alto é o Manchester United: 72

Portugal é o 11º colocado nas ligas: 11,8

Em Portugal, o FC tem o valor mais alto: 45,8%

Boavista, P. Ferreira e Moreirense não têm qualquer internacional.

Se é o clube português com mais percentagem de jogadores estrangeiros no plantel, o FC Porto é também o que tem mais futebolistas internacionais pelo respetivo país – não é que uma coisa implique obrigatoriamente a outras, mas, no caso dos dragões,a qualidade dos estrangeiros  ajuda significativamente.

O FC Porto tem uma percentagem de 45,8 no que respeita aos jogadores internacionais no ativo que compõem o seu plantel e, com este número, fecha o «top 20» dos clubes em absoluto com mais jogadores das seleções.

O Benfica sobressai em Portugal no que respeita à fidelidade que os jogadores contratados pelas águias mantêm ao seu emblema. Perto do melhor valor no que respeita aos registos médios da tabela das ligas, o valor dos encarnados é descompensado em Portugal pelo entra-e-sai de jogadores que aconteceu este ano em Moreira de Cónegos.

Esta(s) realidade(s) voltam a destacar-se de forma invertida quando se fala do número de contratações. E, aqui, permanência dos jogadores no clube e contratações já estão muito diretamente ligadas. O Moreirense é o líder português entre os que mais contrataram e está apenas a três entradas do líder absoluto Bolonha sendo o 4º nesta Europa a 31.

Permanência em média de anos nos clubes de uma liga:

Mais alto – Inglaterra: 2,82

Mais baixo - Sérvia: 1,71

O clube com o valor absoluto mais alto é o CSKA Moscovo (Rússia): 5,7

O clube com o valor mais baixo é o Chornomorets (Ucrânia): 1,2

Portugal é o 27º colocado nas ligas: 2

Em Portugal, o Benfica tem o valor mais alto: 2,63

Em Portugal, o Moreirense tem o valor mais baixo: 1,26

Contratações em média por clubes de uma liga:

Mais alto - Roménia: 14

Mais baixo - Suécia: 7,4

O clube com o valor absoluto mais alto é o Bolonha (Itália): 23

Os clubes com o valor mais baixo são o Karpaty (Ucrânia) e o Zaporizhya (Ucrânia): 1

Portugal é o 4º colocado nas ligas: 13,1

Em Portugal, o Moreirense é o que contratou mais: 20

Em Portugal, o Benfica é o que contratou menos: 8

O Sporting destaca-se na formação, mas esta característica leonina já teve maior exposição internacional mesmo que o valor dos sportinguistas esteja muito perto da média registada pela melhor liga em termos absolutos – entre clubes, estes índices podem ir do oito ao 80, como também se verifica em Portugal, onde há três emblemas que jogam sem qualquer jogador formado na casa.

No caso dos estreantes numa equipa profissional sénior destas 31 ligas, os melhores registos vêm da Ucrânia com médias muito boas de apostas em jogadores que passem a ter a primeira oportunidade no futebol de carreira. Em ambos os dois parâmetros referidos de formação e aposta nos estreantes, a realidade Portuguesa em 2015 está muito perto do final das respetivas tabelas.

Formação em percentagem média de uma liga:

Mais alto – Bielorrússia: 34%

Mais baixo - Turquia: 8,3

O clube com o valor absoluto mais alto é o Gomel (Bielorrússia) 91,7

Portugal é o 28º nas ligas: 11,1

Em Portugal, o Sporting é o clube que mais percentagem tem da formação: 31

Tondela, Boavista e Arouca não têm jogadores da formação

Estreantes em média por clubes de uma liga:

Mais alto - Ucrânia: 2,29

Mais baixo – Grécia: 0,13

O clube com o valor absoluto mais alto é Zaporizhya (Ucrânia): 11

Portugal é o 25º colocado nas ligas: 0,61

P. Ferreira e Marítimo são os que se destacam com 2 cada

Os dois parâmetros que o CIES também refere ainda neste Atlas são a altura média dos jogadores – com a mais elevada na Croácia (1,83 metros) e a mais reduzida em Israel (1,80 metros) – e a idade já aqui também referida quando o Nacional se mostrou o clube com a média etária mais baixa entre Portugal e as cinco principais ligas da Europa.

Idade média nas ligas:

Mais alto - Turquia: 27,3

Mais baixo - Croácia 23,9

O clube com o valor absoluto mais alto é o Chievo Verona (Itália): 30,6

O clubes com o valor mais baixo são o Hajduk Split (Croácia) e o Senica (Eslováquia): 22,1

Portugal é o 17º desta lista: 25,8

Em Portugal, o União tem o plantel com mais idade: 27

Em Portugal, o Nacional tem o plantel mais novo: 23,8