«Izmailov tem uma situação clínica conhecida e tem sido integrado de forma progressiva, com êxito. No plano clínico não houve agravamento, mas nestas questões existe também a sensibilidade do atleta. Ontem, no estágio, Izmailov referiu que não se sentia confiante, eu examinei-o e entendi que não tinha havido agravamento da lesão, e fi-lo ver que do ponto de vista médico não corria riscos. Mas nesta relação há duas partes e tive de levar em conta a sua posição. Tenho esperanças fundamentadas que no plano clínico possa estar a treinar e a jogar a breve trecho.»

Concretizando, Gomes Pereira referiu que Izmailov apresentou «queixas da coxa direita e alguma fadiga muscular» referindo que «não sentia confiança competitiva», apesar de acreditar que estava nas mesmas condições dos últimos jogos. «Temos por obrigação informar os atletas se correm riscos ou não e neste caso entendi que não havia», frisou.

Quanto à ausência de Daniel Carriço, Gomes Pereira não se mostrou surpreendido: «Anteriormente já tinha deixado bem claro que a sua recuperação era uma hipótese muito remota. A expectativa era de que não recuperasse. Ele foi convocado por outras questões, que têm a ver com a própria equipa» afirmou.