«Organizámos este protesto ordeiro para nos manifestarmos contra a gestão danosa que tem sido feita na SAD. Basta analisar as contas do Leixões para se perceber isso. Temos uma pessoa agarrada ao poder que tem deixado o clube completamente isolado», disse um dos adeptos, João Silva.

Um dos dinamizadores do projeto, João Silva não acredita nas mudanças anunciadas na Sociedade Anónima. «Para mim isto é um embuste. Na prática, vai ficar tudo igual. Carlos Oliveira tem destruído todo o nosso património: os adeptos, os terrenos, até o estádio está penhorado. Os jogadores não recebem há três meses, há atletas que não podem jogar porque não têm equipamento e jogadores a serem despejados.»

Em dezembro, o Leixões anunciou que Carlos Oliveira tinha chegado a acordo com uma empresa brasileira, a J Winners, para a transferência da posição maioritária na SAD. Essa cedência, porém, continua por concretizar.

«Estamos fartos deste deixar andar. Temos uma pessoa que não nos esclarece, não apresenta relatórios de contas. Temos provas de que tem havido gestão danosa e que ele está a agir de má fé. Não queremos mais pessoas dessas aqui. Está na hora de as coisas mudarem», atirou João Lourenço, outro dos contestatários.