A 100 dias do início do Mundial de 2010, o treinador da Selecção da Costa do Marfim, adversário de Portugal no grupo G da mesma competição, mostrou-se indignado com o facto da comunicação do seu despedimento ter sido feita por fax, alegando que «não houve a coragem nem de fazer um telefonema».

O mais estranho é que Vahid Halilhodzic guiou a Costa do Marfim a uma série de 24 vitórias consecutivas, que só foi parada nos quartos-de-final do Campeonato das Nações Africanas diante da Argélia.

Vahid Halilhodzic ainda afirma que «era preciso sacrificar alguém»: «Na Federação optaram por mim». Nas palavras do seleccionador «esta mudança deve-se mais a alterações políticas no país e à intenção de atrair votos através do futebol».