Carlos Brito é o convidado semanal da entrevista Maisfutebol/Rádio Clube. O treinador do Rio Ave traça o retrato de Miguel Lopes, seu jogador e já contratado pelo F.C. Porto para a próxima temporada. Nesta conversa, há ainda lugar para algumas ideias sobre o «irreverente» Fábio Coentrão e Beto, um guarda-redes que conhece bem.

O Sapunaru cresceu muito no F.C. Porto. Acha que o Miguel Lopes, seu jogador, já perdeu alguma margem de manobra para a próxima temporada nos dragões?

O Miguel não pode pensar dessa forma. E acho que não o faz. Independentemente da condição do Sapunaru. Ele tem de se impor, não basta ser contratado. Tem de chegar lá e justificar a confiança.

E tem estofo para isso?

É um jogador rápido e agressivo. Mas tem arestas por limar. E não estou a minimizá-lo por isso. Tem tudo para melhorar, até pela humildade que demonstra no dia-a-dia.

O Miguel, por via da sua lesão, tem-lhe feito falta?

Quando está em condições tem grandes probabilidades de ser titular. Mas não podemos desvalorizar quem tem actuado no lugar dele.

Falemos do Fábio Coentrão. É verdade que ele foi incorrecto consigo num jogo recente?

Não ouvi nada e nem sequer vi as imagens. Cara a cara, nem ele nem nenhum jogador me maltrata. Quem o fizer, está sujeito às consequências. Aceito um desabafo, acho isso normal. Uma coisa é compreendê-lo, outra coisa é ele achar que eu aceito tudo. Ele é um bocado irreverente, mas porta-se bem no trabalho.

Os aspectos negativos da vida dele podem influenciar o que ele tem de bom?

Reconhecer os erros é um bom começo. Pior seria achar que está tudo bem com ele. Se ele ler isto, deve levar as minhas palavras em consideração. Ainda não tem tudo para ser um grande jogador, mas pode acrescentar algumas coisas que lhe podem dar tudo. Gosto dele e por isso estou a ser frontal. É jogador do Benfica e por isso só será útil ao Rio Ave até ao fim desta época.

Trabalhou com Beto durante um ano. Merece estar na selecção?

É um guarda-redes incansável diariamente. Aborda todos os exercícios com uma entrega e alegria notáveis. Trabalha com muito prazer. Na minha perspectiva, peca por tardia a sua chamada à selecção.