Explica a Comissão Disciplinar da Liga que o processo de inquérito foi arquivado por falta provas, «uma vez que, não obstante a prova produzida conduzir à existência de fortes indícios de que o arguido poderá ter agredido o Sr. Hugo Ribeiro, tal prova não ser suficiente para formar convicção juridicamente exigida para a condenação».

Ainda em relação ao F.C. Porto-Marítimo, do qual se falou muito em relação a um ambiente supostamente quente no túnel de acesso aos balneários, resultou uma multa de 500 euros para o F.C. Porto. Uma multa justificada por «violação do dever de urbanidade e correcção» do delegado ao jogo azul e branco, Antero Henrique.