Este é um daqueles casos em que os números dizem quase tudo: no Barcelona-Chelsea, o médio inglês cometeu uma falta e fez um remate ao lado.

O remate até apareceu cedo, aos quatro minutos. Foi a segunda acção com bola de Lampard. Antes tinha perdido a bola. Pois.

De resto, perder a bola, vê-la passar por cima e ao lado foi algo que sucedeu muitas vezes a Lampard. Órfão de uma equipa que quisesse subir com ele em direcção a Valdés e preso entre Xavi e Touré, o líder do Chelsea foi perdendo graça a cada minuto.

Fez uns passes curtos, ganhou duas ou três bolas de cabeça, marcou um canto e foi para o descanso de consciência tranquila, mas também já desconfiado de que não seria uma noite de grandes feitos.

A coisa piora a seguir. Lampard não consegue pegar no jogo, ligeiramente deslocado do seu lugar natural. Nem chega perto de Drogba. Tão perdido que aos 67 minutos comete uma falta na zona central. Hiddink não espera mais: retira-o de campo.

Saiu Lampard, aos 70 minutos, entrou Beletti. Coisa poucas vezes vista, mas compreensível. Foi uma noite perdida para o internacional inglês. E para quem escolheu segui-lo, convencido de que ia registar grandes coisas. Nada.

A análise de Frank Lampard no Barcelona-Chelsea foi feita a partir das imagens do jogo transmitidas pela Sport TV