A FIGURA: ACUÑA

O melhor elemento dos leões. Com a titularidade surpreendente de Lumor, o argentino regressou ao habitat natural. Começou na esquerda, mas rapidamente foi deslocado para o corredor direito. Protagonizou assistências de luxo – algumas desaproveitadas pelos companheiros – tentou visar a baliza açoriana um par de vezes e apontou o golo da reviravolta do Sporting, num atípico golpe de cabeça do argentino a passe de Jovane.

O MOMENTO: expulsão de Patrick, minuto 63

Lei de Murphy comprovada em São Miguel num espaço de segundos. Logo depois de Bas Dost ter reposto a igualdade na cobrança de um castigo máximo, Patrick recebeu ordem de expulsão por protestos e deixou a equipa açoriana reduzida a dez. Um golpe em cima de outro: demasiado para não provocar abalos no conjunto orientado por João Henriques.

OUTROS DESTAQUES

Osama Rashid: o capitão do Santa Clara que no início da partida foi ‘consagrado’ com o melhor golo do mês não marcou na partida mas foi incansável no trabalho coletivo para manter a vantagem do golo açoriano. Já depois da reviravolta no marcador, não atirou na toalha ao chão, insistindo nos remates. Aliás, um dos disparos mais ameaçadores das malhas leoninas saiu dos pés dele, já em tempo de compensação.

Bas Dost: concretização da grande penalidade pelo marca o regresso do holandês aos golos quase três meses depois. A última vez que Bas Dost tinha atingido as malhas de uma baliza adversária foi na primeira jornada, no confronto com o Moreirense. A melhor ocasião de golo dos leões na primeira parte foi dele. Ainda está à procura da melhor forma, mas a presença em zonas de finalização é suficiente para impor respeito nos adversários.

Jovane: foi lançado por Tiago Fernandes ao intervalo e foi, como já vem sendo hábito nesta época, importante para o sucesso da equipa de Alvalade. Esteve perto do golo num desvio de cabeça e assistiu Acuña para o golo decisivo.