Para o seu lugar, a direção da Académica escolheu um homem da casa, apontado José Viterbo como «treinador interino» dos estudantes até que fosse encontrada uma solução permanente.

O comportamento da equipa diante do Estoril e a consequente saída da zona vermelha da classificação retiraram pressão aos responsáveis academistas que confirmaram a continuidade do técnico no banco de suplentes no regresso da equipa ao Estádio Cidade de Coimbra.

«Em equipa que ganha não se mexe. José Viterbo vai continuar no banco na partida frente ao Arouca. É um quadro da Académica, reconhecemos-lhe competência, como ficou demonstrado na última partida e, por isso, essa não é uma situação que nos tire o sono», garantiu o vice-presidente da Académica Luís Godinho em declarações ao Maisfutebol.

O dirigente academista gostou do que viu no jogo da Amoreira e garantiu que a cúpula diretiva dos estudantes não coloca nenhum prazo de validade no treinador.

«Não estamos à procura de treinador, não vamos contratar alguém só porque sim. O que é importante referir nesta altura é que reconhecemos competência ao José Viterbo e sua continuidade à frente da equipa não está dependente de resultados, que fique bem claro. Não lhe podemos exigir isso quando demos margem de manobra a outros treinadores. Não era justo», reforçou o dirigente, garantindo que a estrutura foca-se, agora, na planificação do futuro de forma a evitar que situações de aflição se voltem a repetir com a mesma assiduidade.

 

Equipa e adeptos lado a lado

O triunfo diante do Estoril teve o condão de reaproximar adeptos e equipa de futebol, uma relação que nem sempre foi fácil ao longo dos últimos meses.

Os estudantes estiveram em peso na Amoreira, receberam a equipa em apoteose e até houve um grupo que criou um movimento pedindo a continuidade de José Viterbo. Luís Godinho mostra-se satisfeito pelo apoio recebido, mas reafirma que o clube é dirigido com ponderação e tem uma estratégia clara para o futuro.

«Estamos muito satisfeito com o apoio que temos recebido dos adeptos e é muito importante nesta altura que estejamos todos unidos. Ainda assim, quero deixar bem claro que não tomamos decisões por impulso ou com base no barulho que vem do exterior. Respeitamos a posição de todos os que gostam da Académica, mas temos a nossa estratégia e sabemos o rumo que temos de seguir», rematou o dirigente.