Declarações de Sérgio Conceição, treinador do V. Guimarães, na sala de imprensa do Estádio D. Afonso Henriques, depois da derrota caseira diante do Nacional da Madeira:

 

«Faltou agressividade? No futebol a agressividade é importante, tanto ofensiva como defensiva. O jogo não foi muito bem jogado de parte a parte, sinceramente. O Nacional veio com o intuito de esperar, com um bloco médio-baixo, sabíamos e precavemo-nos em relação a isso. Faltou algum discernimento naquilo que foi a nossa ligação na construção de jogo. De qualquer das maneiras, até à nossa oferta do golo não tinham chegado à nossa baliza. Depois do golo ficaram numa situação de conforto nessa posição e com jogadores rápidos na frente».

 

«Tivemos duas ocasiões para marcar, não o fizemos; depois na segunda parte não há história, tivemos mais duas ou três ocasiões, tentámos de tudo, mas voltamos a não concretizar, o Nacional também conseguiu uma saída rápida, mas não mais do que isso».

 

«O jogo resume-se a mais um erro defensivo e à tal ineficácia ofensiva. A tal agressividade que me falava tem a ver com isso, com a exigência que um jogador tem de ter para ser profissional de futebol. Emocionalmente tem que ser forte, mais às vezes do que na capacidade técnica».

 

«Justiça? Obviamente que o Manuel Machado vai dizer que sim, porque ele tem sempre um discurso fantástico para convosco e com as pessoas. Foi um jogo fraco, mas não merecíamos sair daqui com uma derrota».

 

«Paragem? Seria sempre benéfica, porque sente-se e nota-se que é preciso algum tempo, a todos os níveis. A questão emocional, a tal agressividade que tem de se ter em campo também se trabalha. Há coisas a melhorar, mas principalmente a nível defensivo como disse na semana passada. O golo está caro, como se costuma dizer, se sofremos assim e depois não conseguimos marcar torna-se difícil. A base do sucesso é não sofrer golos».

 

«Estava à espera de dificuldades, porque se não tinha vindo para aqui substituir um treinador, mas claramente que também esperava estar melhor neste momento».