Este jogo servirá também de desempate. O líder nacionalista desvalorizou esta questão de um duelo no banco com Jesus.

«Não é confronto especial entre treinadores. Jogam equipas e não treinadores. Já disse que não nutro nenhuma simpatia por essa pessoa, mas este é um momento diferente e o que está em jogo são os três pontos e espero que caiam para as nossas cores», afirmou.

«Quem poderá ter pressão é o nosso adversário»

O Nacional está bem e recomenda-se. Pelo menos vem de dois triunfos fora de portas e e ocupa o quarto lugar. Amanhã, recebe um concorrente directo pelo posto que detém e espera poder consolidar essa posição e somar mais três pontos aos 42 actuais. Até porque, sonhar é sempre possível, mas Manuel Machado e os seus pupilos apenas pretendem atingir os 50 pontos de forma a ver se ficam entre os cinco primeiros classificados, garantindo um lugar na Taça UEFA.

E quanto às lesões que vêm assolando o seu opositor, o técnico alvinegro foi claro: «Não temos vantagem nenhum em relação à questão dos lesionados. Eu também tenho menos cinco jogadores. Se eles têm 19 disponíveis, nós também só temos 21. Essa situação é semelhante. O Patacas, Edson e Fabiano estão fora e também são dos mais utilizados. São coisas que acontecem em todos os clubes e temos de saber gerir a situação. Eu respondo pelo meu clube, o Braga terá também de saber gerir».

Questionado se esta é uma boa oportunidade para consolidar a actual classificação, Machado manteve o discurso de contenção: «Traçamos uma meta que é fazer 50 pontos. Neste momento temos os mesmos pontos que na primeira volta. Temos a possibilidade de melhorar e se ganharmos ficaremos mais próximos da meta e à 30ª jornada veremos o que resulta em termos classificativos. Não há focalização na classificação neste momento, mas sim na aquisição de pontos para atingir os 50».

O Braga assumiu claramente no começo da época que queria estar em todas as frente e intrometer-se entre os grandes. Assim, para o treinador da turma da Choupana, não é a sua equipa que terá maior pressão neste jogo. E explicou: «Os meus jogadores não têm pressão. São dois clubes diferentes. Tem um dos melhores plantéis nesta I Liga, traçou metas muito elevadas e por isso, se alguém tem de ter pressão, é o nosso adversário. Os nossos objectivos foram mais comedidos: primeiro a manutenção e depois um lugar europeu com 50 pontos e temos um campanha interessante na Taça de Portugal.»