Questionado como é que se consegue «bater o recorde de sofrer só cinco golos em 16 jogos», o defesa central responde: «A sorte influencia um pouco, mas, sobretudo o trabalho».

Para Pepe o segredo de um índice de golos sofridos baixo começa longe da baliza. «O fundamental em futebol para defender bem é atacar bem. E atacar bem significa que os avançados defendam primeiro. Aí é onde começa o trabalho».

E se há um antídoto para o sucesso dos avançados contrários, o rigor e a disciplina fazem parte dos princípios activos. O internacional português sublinha que o treino durante a semana é sustentado em detalhes que se podem revelar fundamentais para tirar o máximo partido da componente física. No Real Madrid, os jogadores pesam-se antes e depois do trabalho diário e têm de picar o ponto, algo que levou Pepe a recordar os tempos em que jogava em Portugal.

«No Porto também havia esse costume. Se chegávamos meia hora atrasados no dia seguinte tínhamos que chegar meia hora antes», diz o defesa.

Sobre a liga espanhola, Pepe diz que «não é fácil estar a seis pontos do Barcelona», mas que o moral é elevado no balneário madridista. «Existe a sensação de que agora o Barça tem que preocupar-se».