Kaká, recorde-se, não pôde jogar de 29 de Novembro a 10 de Janeiro, devido à pubalgia, e houve até quem caracterizasse como crónica a lesão. «Eu tive o problema da lesão da púbis, o que atrasou o meu processo de adaptação», explicou Kaká ao jornal As. «Também tinha de me adaptar à cidade, ao clube e a muitas coisas. A contusão tira-nos a confiança e não consigo fazer as coisas como quero».

Kaká, o seu empresário, a sua mulher e Pellegrini estiveram envolvidos recentemente numa polémica devido à substituição do brasileiro no jogo dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões, contra o Lyon, em casa. A mensagem do twitter que Diogo Kotscho, empresário do jogador, postou chamava cobarde ao treinador do Real Madrid, mas Kaká já explicou que nada disso foi planeado, ou partiu do jogador.

«Quando Diogo postou isso no Twitter eu ainda estava no relvado. Não foi nada planeado. Obviamente ele é meu empresário, mas também é um indivíduo com sua própria opinião como qualquer outro. Era a sua opinião pessoal, e eu não estava nada de acordo», referiu o brasileiro do Real Madrid.