Liedson

O Sporting mostrou-se muito dependente de Liedson e o brasileiro não «o deixou ficar mal». O cruzamento para o golo de Postiga saiu dos seus pés. Um remate muito bem medido. Logo depois podia ter marcado aplicando um pontapé de bicicleta. Aos 30 minutos serviu Postiga de calcanhar e volvidos três minutos quase marcou, novamente. Aos 42 minutos, perante o adiantamento de Filipe Mendes, tentou um chapéu largo. A bola quase entrou. Se entrasse, teria sido um golo de levantar o estádio. Liedson acabou por fazer o gosto ao pé, aos 55 minutos, colocando o Sporting novamente em vantagem (2-1). Um golo inteiramente merecido para um homem que dá a marcar e também «factura». Em alguns momentos ficou a sensação de que estava em todo o lado, quase como se conseguisse multiplicar-se ou tivesse a capacidade de mover-se a velocidade supersónica.

Pedro SilvaFoi «feliz» no dia do seu 28º aniversário. O lateral teve de defender e atacar, em «dia não» de Bruno Pereirinha. Esteve no lance do primeiro golo, combinando com Liedson, que cruzou para o tento de Postiga. Fez uma série de bons cruzamentos, nomeadamente aquele que culminou no golo de Liedson, aos 55 minutos. Bola muito bem colocada, que foi «meio golo». Saiu aos 77 minutos, com queixas. Merecia melhor sorte.

Postiga

Voltou à titularidade para substituir o castigado Derlei. Marcou o primeiro golo da partida. Um golo fácil, que estava proibido de falhar, perante o bom cruzamento de Liedson e a falha de Nuno André Coelho. O avançado correu e esforçou-se. Não fez uma grande exibição (o que se encaixou no panorama geral). Mas cumpriu a sua missão, marcou.

Filipe Mendes

Não podia fazer nada no lance do golo de Postiga. Depois, em três minutos, o guarda-redes do Estrela fez duas grandes defesas. Primeiro ao sair bem para travar Postiga, que surgiria sozinho frente à baliza, depois de ser desmarcado por Liedson. Aos 33 minutos travou um grande pontapé do Levezinho, que rematou cruzado da direita. Ainda na primeira parte poderia ter «comprometido». O «atrevimento» podia ter-lhe saído caro, já que saiu da grande área para cortar uma investida dos leões e daí podia ter saído o 2-0. Liedson viu que Filipe Mendes ainda não tinha recuperado a sua posição e tentou o chapéu ao guardião. Se tivesse entrado, seria um grande golo - sobretudo devido à imprudência do jogador tricolor. Durante a segunda metade também teve boas intervenções.

Goianira

Grande golo a terminar a primeira parte. Um golaço. Rui Patrício não tinha hipóteses. O camisola 28 recebeu de Varela, da esquerda, e rematou de forma perfeita. O guarda-redes do Sporting foi surpreendido pela precisão do remate e quem estava no estádio também.