Um jogo que começou com um ritmo elevado, com os neroazzurri, com Vieira. Zanetti e Maxwell no meio-campo, a revelar pressa em colocar a bola na frente, com longos lançamentos, a evitar o embate na zona central onde os genoveses, a jogar em 3x5x2, estavam em clara vantagem. As oportunidades sucederam-se nas duas balizas e a Samp podia ter resolvido a eliminatória cedo, uma vez que um golo obrigava a equipa de Mourinho a marcar cinco para seguir em frente.

Entre a bola cá e a bola lá, Ibrahimovic, sempre em destaque no ataque do Inter, desfez o empate, com um potente remate com o pé direito. Estavam decorridos apenas 27 minutos e San Siro explodia em festa. Um golo que animou a equipa de Mourinho que quase marcou no minuto seguinte numa cabeçada do incontornável Ibra travada por uma grande defesa de Castelazzi. A Samp ia respondendo em rápidos contra-ataques, aproveitando o muito espaço que usufruiu no meio-campo e Cassano voltou a ter nova oportunidade para resolver a eliminatória ao obrigar Júlio César a uma defesa a dois tempos. O intervalo chegava com o Inter com maior número de oportunidades, mas ainda a precisar de dois golos para igualar a eliminatória.

A abrir o segundo tempo, Mourinho trocou Córdoba por Chivu e, pouco depois, esgotou as substituições, lançando para a contenda Crespo e Cambiasso, em detrimento de Júlio Cruz e Patrick Vieira. A intensidade do jogo subia a olhos vistos e as picardias em campo também. Cassano voltou a brilhar em mais um raide na área milanista, contornando três defesas antes de obrigar Júlio César a mais uma esforçada defesa. O ritmo foi caindo com a luta pela bola a ser travada agora com muitas faltas e uma série de interrupções que enfureciam José Mourinho que assistiu a toda a segunda parte junto à linha.

Ibrahimovic voltou a estar perto de marcar, Crespo também, mas Castelazzi estava inspirado e o resultado não voltou a sofrer alterações até final. Já em tempo de descontos, uma nota habitual nos jogos difíceis do Inter: Materazzi não se conteve e, com dois amarelos de seguida, recebeu ordem de expulsão.

A festa foi, assim, da Sampdória que confirmou a qualificação para a final onde vai defrontar a Lazio que afastou a Juventus na outra meia-final. Um forte revés para José Mourinho que depois de também ter sido eliminado da Liga dos Campeões, pode apenas juntar o Scudetto, já praticamente garantido, à Supertaça conquistada no arranque da temporada.