Mendonça

Muito se falou de Mantorras, ao longo desta última semana, mas seria outro angolano a brilhar no Varzim-Benfica. Mendonça anda pela equipa principal do Varzim há vários anos mas pode, finalmente, ver o seu nome reconhecido. Foi uma peça importante na participação de Angola no Campeonato do Mundo de 2006 e entra em 2007 com mais motivos para sorrir. Fez a assistência para o primeiro golo da formação poveira e, na etapa complementar, tornou-se no mais recente herói da Taça de Portugal ao derrubar o gigante Benfica, com um cabeceamento de belo efeito.

Ricardo

É um dos bons guarda-redes da Liga de Honra e já anda a ser seguido por clubes de maior dimensão. Recentemente, virou notícia por marcar um golo de baliza a baliza, mas há mais motivos para Ricardo ser reconhecido. Grande reflexos e segurança entre os postes, mesmo com o terreno molhado, contribuindo para a forma como o Varzim segurou uma vantagem histórica. Entre uma série de boas intervenções, destaque para a enorme defesa após cabeceamento de Anderson, quando a bola já queimava a linha de golo.

Simão Sabrosa

Justifica a braçadeira que usa no seu braço. Denotou profissionalismo e clarividência ao longo de todo o encontro, procurando empurrar uma equipa que nem sempre teve a postura adequada face a um adversário do escalão inferior. Voltou a surgir no onze como principal muleta de Nuno Gomes, beneficiando de total liberdade de movimentos na frente de ataque. Aproveitou isso mesmo para anular a primeira desvantagem do Benfica, mas já não conseguiu resolver o segundo rombo no porta-aviões.

Nélson

Um daqueles casos em que o azar está logo à porta de casa. Mal sentira o jogo quando procurou desviar um cruzamento com o peito e acabou por introduzir a bola na própria baliza. Noite estragada? Nélson achou que não e fez tudo para apagar esse erro, correndo como uma gazela pelo flanco direito e desdobrando-se em pormenores técnicos que abrilhantaram uma exibição repleta de suor. Os seus cruzamentos, contudo, não encontraram sequência na área.

Pedrinho

Bela exibição de um extremo adaptado a lateral direito, na estreia de Diamantino Miranda. Pedrinha não escondeu as suas raízes, aproveitando as naturais características ofensivas para abrir o jogo do Varzim à direita. Beneficiou da ausência de um adversário directo, na primeira parte, para lançar alguns ataques dos poveiros. Por outro lado, Rui Costa acabou por cruzar para o golo de Simão na sua zona, mas esse facto não diminui o mérito do seu desempenho.

Beto e João Coimbra

Duas novidades no sector intermediário do Benfica, face às limitações físicas de Petit e Karagounis. Beto e João Coimbra estrearam-se como titulares na época 2006/07 e procuraram interpretar os papéis desempenhados pela dupla que costuma ocupar a zona intermediária, mas sem sucesso. Beto, como primeiro tampão a meio-campo, empregou a habitual dose de generosidade, procurando disfarçar as incontornáveis limitações técnicas. Viu um amarelo no início da segunda parte e podia ter sido expulso logo depois. Fernando Santos não esperou: chamou Karyaka e mandou Beto para os balneários. João Coimbra, por seu turno, acabou por não convencer Fernando Santos nos primeiros quarenta e cinco minutos. O treinador do Benfica pedia ao jovem português para surgir nos flancos, sobretudo o esquerdo, mas Coimbra raramente conseguiu fugir às suas raízes na zona central. Sacrificado ao intervalo.