Depois de ter noticiado o enterro de Vilanova, que morreu na sexta-feira de cancro, na sua terra natal, Bellcaire d'Emporda, em Girona, a agência noticiosa espanhola deu conta de uma cerimónia fúnebre em Peralada, antes da cremação.

As amostras de apoio ao antigo técnico catalão foram inúmeras no dia de hoje, tendo-se respeitado um minuto de silêncio em sua memória um pouco por toda a Europa.

Em Barcelona, mais de 10.000 pessoas passaram pelo Camp Nou, onde o FC Barcelona disponibilizou um espaço para os adeptos renderem homenagem àquele que foi o treinador principal da equipa na época passada e adjunto de Pep Guardiola nas quatro anteriores.

A família de Vilanova só acedeu à realização de um ato público, que será a missa religiosa prevista para segunda-feira na catedral de Barcelona, ato que encerra os três dias de luto decretados pelo clube catalão.

Tito Vilanova tinha sido submetido na passada na quinta-feira a uma operação relacionada com o cancro na tiroide que lhe foi detetado em 2011 e, segundo a EFE, a intervenção efetuada em Barcelona teve como objetivo tratar uma obstrução no estômago, que impedia o antigo técnico de ingerir alimentos.

O técnico, de 45 anos, sucedeu a Pep Guardiola como treinador do FC Barcelona em 2012/13, já depois de lhe ter sido detetado o cancro em novembro de 2011. Em dezembro de 2012, uma recaída obrigou-o afastar-se e levou-o a Nova Iorque para se submeter a tratamento. Regressou em abril de 2013, mas, a 19 de julho, renunciou ao cargo devido a nova recidiva.