Foram nada menos que 19 as mudanças de treinador numa Liga que ultrapassou todos os limites a esse nível. E menos de 24 horas depois de terminar tem ainda mais uma saída, a de Nuno Espírito Santo do FC Porto, ainda que essa já não entre nestas contas. Dos 18 clubes da Liga só cinco fizeram todo o campeonato com o mesmo treinador: os três «grandes» e os dois Vitórias, de Guimarães e de Setúbal. Nada menos que seis clubes tiveram três treinadores ao longo da temporada. O Maisfutebol olhou para o rendimento de todos estes técnicos e concluiu que, se no saldo global houve mais trocas a trazerem melhores do que piores resultados, há vários casos em que isso não foi verdade.

Há mesmo três clubes que mudaram mais que uma vez e pioraram sempre. Acima de todos o Sp. Braga, um verdadeiro caso de estudo nesta Liga. José Peseiro começou a época e saiu ao fim de 13 jogos de campeonato, com uma percentagem de 66.7 por cento dos pontos conquistados em relação aos pontos possíveis. Depois veio Jorge Simão e fez pior, e a seguir Abel Ferreira, e ainda fez pior.

Aliás, Peseiro termina o campeonato como o quarto treinador com melhor rendimento, dividindo os pontos conquistados pelos possíveis nos jogos que realizou. Fica a seguir a Rui Vitória, Nuno Espírito Santo e Jorge Jesus.

Entre os treinadores que entraram com a Liga a decorrer e fizeram pelo menos um terço do campeonato, destaque óbvio para Daniel Ramos, que levou o Marítimo à Europa. Mas também para Nuno Manta, que conquistou 61.6 por cento dos pontos possíveis desde que assumiu o Feirense. É o quinto melhor treinador da Liga em aproveitamento de pontos, à frente até de Pedro Martins, que levou o V. Guimarães ao quarto lugar.

O Estoril, outra das equipas que mudou duas vezes, é um caso curioso. A primeira mudança foi para bem pior, quando o espanhol Pedro Carmona rendeu Fabiano Soares. Mas a chegada de Pedro Emanuel mudou tudo: é em termos percentuais, aliás, a maior subida de uma equipa após uma mudança de técnico.

Também o Arouca tem dois saldos diferentes no que diz respeito a mudanças. Mas reforçada pela situação atípica de ter somado zero pontos com Manuel Machado em cinco jogos. Portanto, piorou muito com a saída de Lito Vidigal, mas depois melhorou quando Jorge Leitão substituiu Machado. Só que, como todos vimos com o louco desfecho da última jornada, a evolução não foi grande e, sobretudo, não chegou para manter o Arouca na Liga.

O Belenenses é outra das equipa que mudou mais que uma vez e piorou sempre. Julio Velazquez, que começou a época e fez sete jogos de Liga, é ainda o técnico com melhor aproveitamento médio de pontos no Restelo, acima de Quim Machado e Domingos Paciência. E a terceira é o Nacional: de Manuel Machado para Jokanovic e depois para João de Deus piorou sempre, até descer de divisão.

A única equipa que mudou duas vezes e melhorou em ambas foi o Moreirense. Que está noutra das várias peculiariedades nos bancos que marcaram esta Liga, incluindo a de ter havido dois treinadores a orientarem as mesmas duas equipas. E ambos foram para melhor. Petit e Pepa começaram a época no Tondela e Moreirense, respetivamente. Sairam ambos e acabariam por vir a trocar. Ambos apresentam registos bem mais positivos na equipa onde terminaram a época, aliás em ambos os casos salvando-a da descida.

ANÁLISE ÀS «CHICOTADAS» DA LIGA 2016/17

SP. BRAGA

José Peseiro: 13 jogos, 66.7 por cento

Jorge Simão: 16 jogos, 45.8 por cento

Abel Ferreira: 5 jogos, 40 por cento

Saldo: -20.9 por cento de Peseiro para Simão; -5.8 de Simão para Abel

MARÍTIMO

PC Gusmão: 5 jogos, 20 por cento

Daniel Ramos: 29 jogos, 54.02 por cento

Saldo: +34.2 por cento

RIO AVE

Capucho: 10 jogos, 36.67 por cento

Luís Castro: 24 jogos, 52.77 por cento

Saldo: +16,1 por cento

FEIRENSE

José Mota: 14 jogos, 26.19

Nuno Manta: 20 jogos, 61.6 por cento

Saldo: +35.41

BOAVISTA

Erwin Sanchez: 7 jogos, 38.10

Miguel Leal: 27 jogos, 43.2

Saldo: +5.1 por cento

ESTORIL

Fabiano Soares: 13 jogos, 38.46 por cento

Pedro Carmona: 11 jogos, 15.15 por cento

Pedro Emanuel: 10 jogos, 60 por cento

Saldo: -23,31 de Fabiano para Carmona; +44,85 de Carmona para Pedro Emanuel

D. CHAVES

Jorge Simão: 13 jogos, 48.72

Ricardo Soares: 20 jogos, 31.6

*Carlos Pires orientou a equipa na derrota em casa do FC Porto na transição entre treinadores

Saldo: -17,12 por cento

PAÇOS FERREIRA

Carlos Pinto: 11 jogos, 30.30 por cento

Vasco Seabra: 23 jogos, 37.68 por cento

Saldo: +7.38 por cento                                              

BELENENSES

Julio Velazquez: 7 jogos, 42.86 por cento

Quim Machado: 22 jogos, 34.84

Domingos Paciência: 5 jogos, 26.66 por cento

Saldo: -8.02 de Velazquez para Quim Machado; -8.18 de Machado para Domingos

MOREIRENSE

Pepa: 10 jogos, 26.66

Augusto Inácio: 15 jogos, 28.88

Petit: 8 jogos, 50 por cento

*preparador físico Leandro Mendes orientou a equipa na derrota na Luz à 11ª jornada, na transição entre Pepa e Inácio

Saldo: +2.22 de Petit para Inácio; +21.12 de Inácio para Petit

TONDELA

 

Petit: 16 jogos, 20.83 por cento

Pepa: 18 jogos, 40.74 por cento

Saldo: +19.91

AROUCA

Lito Vidigal: 21 jogos, 42.85 por cento

Manuel Machado: 5 jogos, 0 por cento

Jorge Leitão: 8 jogos, 20.83 por cento

Saldo: -42.85 de Lito para Machado; +20.83 por cento de Machado para Leitão

NACIONAL

Manuel Machado: 15 jogos, 24.44 por cento

Jokanovic: 11 jogos, 18.18 por cento

João de Deus: 8 jogos, 16.66

Saldo: -6.26 de Machado para Jokanovic; -1.52 de Jokanovic para João de Deus

APROVEITAMENTO DE PONTOS POR TREINADOR

Rui Vitória (Benfica), 80.39 por cento

Nuno Espírito Santo (FC Porto), 74.5 por cento

Jorge Jesus (Sporting), 68.62 por cento

José Peseiro (Sp. Braga), 66.7 por cento

Nuno Manta (Feirense), 61.6 por cento

Pedro Martins (V. Guimarães), 60.78 por cento

Pedro Emanuel (Estoril), 60 po cento

Daniel Ramos (Marítimo), 54.02 por cento

Luís Castro: (Rio Ave), 52.77 por cento

Petit (Moreirense), 50 por cento*

Jorge Simão (D. Chaves), 48.72 por cento*

Jorge Simão (Sp. Braga): 45.8 por cento*

Miguel Leal (Boavista), 43.2 por cento

Julio Velazquez (Belenenses), 42.86 por cento

Lito Vidigal (Arouca), 42.85 por cento

Pepa (Tondela), 40.74 por cento*

Abel Ferreira (Sp. Braga): 40 por cento

Fabiano Soares (Estoril), 38.46 por cento

Erwin Sanchez (Boavista), 38.10 por cento

Vasco Seabra (Paços Ferreira), 37.68 por cento

José Couceiro (V. Setúbal), 37.25 por cento

Capucho (Rio Ave), 36.67 por cento

Quim Machado (Belenenses), 34.84 por cento

Ricardo Soares (D. Chaves), 31.6 por cento

Carlos Pinto (Paços Ferreira), 30.30 por cento

Augusto Inácio (Moreirense), 28.88 por cento

Domingos Paciência (Belenenses), 26.66 por cento

Pepa (Moreirense), 26.66 por cento*

José Mota (Feirense), 26.19 por cento

Manuel Machado (Nacional), 24.44 por cento*

Petit (Tondela), 20.83 por cento*

Jorge Leitão (Arouca), 20.83 por cento

PC Gusmão (Marítimo), 20 por cento

Jokanovic (Nacional), 18.18 por cento

João de Deus (Nacional), 16.66 por centto

Pedro Carmona (Estoril), 15.15 por cento

Manel Machado (Arouca), 0 por cento*

A negro os treinadores que orientaram a mesma equipa ao longo de toda a Liga

*treinadores que orientaram mais do que uma equipa na Liga esta época