Em declarações à Agência Lusa, Carlos Freitas explicou porque é que entende que «a responsabilidade maior cabe ao Benfica»: «Joga em casa, é um crónico candidato ao título e seguiu uma política de investimentos altamente agressiva, logo, é a ele que deve ser atribuída a maior fatia de responsabilidade», destacou o dirigente.

Quanto ao Sp. Braga, Carlos Freitas diz que «a confiança está em alta» e que lhe «cabe a tarefa de fazer jus a um trajecto brilhante na presente liga, onde, até à data, a pior classificação que ocupou é a actual, ou seja, o segundo lugar».

O responsável minhoto também se referiu à nomeação da equipa de arbitragem, desejando que o juiz não se torne na figura maior do jogo. «Seria muito mau repetir-se o cenário do ano passado, em que o senhor Paulo Baptista protagonizou uma actuação verberada por toda a crítica especializada, dado o prejuízo que nos causou, pois, também aí, podíamos ultrapassar o nosso adversário e não nos deixaram», recordou.

Um cenário que Carlos Freitas não acredita que se venha a concretizar. «Estamos seguros que tal não se repetirá e que o Benfica-Sp. Braga de sábado será decidido dentro das quatro linhas pela qualidade dos jogadores e dos treinadores e que o árbitro apenas fará parte desse grande espectáculo», acrescentou.