A AS Roma deparou-se com vários problemas físicos na preparação deste encontro, mas esqueceu tudo isso à passagem do nono minuto. Juan marcava e restabelecia a igualdade na eliminatória. 1-0 para o Arsenal em Inglaterra, 1-0 para a Roma em Itália.

Num jogo extremamente táctico e cauteloso, as duas equipas foram caminhando para a roleta russa. Foi-se o tempo regulamentar, o prolongamento, o público agitava-se e prepara-se para os castigos máximos. Dito e feito.

Naqueles instantes, qual eternidade, o comum adepto da AS Roma foi ao céu e ao inferno. Viu Doni defender a primeira grande penalidade, travando o remate de Eduardo da Silva. Os quartos-de-final ali tão perto! Pizarro ainda marcou, mas Vucinic comprometeu logo a seguir, atirando à Panenka. Bola ao centro, Almunia não caiu para os lados e travou o remate.

Com cerca de 70 mil almas em angústia crescente, os jogadores das duas equipas foram assumindo as responsabilidades até surgir um infeliz. Foi Tonetto. Almunia parecia confiante, mas nem precisou de desviar o remate. A bola passou bem por cima da baliza do Arsenal. Ingleses nos quartos, palmas para os derrotados.