«Teoricamente sim, é possível apanhar o Benfica. Se ganharmos os nossos jogos podemos sonhar, porque, depois, jogamos com eles [29ª jornada, em Braga], mas não podemos fazer previsões, porque a vantagem está do lado das equipas que vão à frente», analisou o treinador, esta quinta-feira, por ocasião da conferência de imprensa de antevisão da recepção ao Marítimo, lembrando que «a grande exibição» em Setúbal permite «acreditar no futuro».

Uma coisa é certa para Jorge Jesus: o quarto posto não é sinónimo de satisfação. «Nunca me sinto realizado, tenho ainda muito para conquistar enquanto treinador. Sinto que na Taça UEFA fizemos uma época espectacular, mas não me sinto um treinador realizado», assumiu, apesar de estar, para já, a corresponder às metas definidas no início da época: «O grande objectivo do Sp. Braga, quando me convidaram, foi tentar o apuramento para uma competição europeia, pelo que agora temos de defender a quarta posição e sermos primeiros depois dos três grandes.»

O Marítimo é o adversário da 24ª ronda, que vai apresentar-se em Braga com menos cinco pontos que a equipa da casa e a duas posições de distância. O técnico não tem dúvidas sobre o desafio que vai ter pela frente.

«Vamos defrontar um adversário muito difícil, que nos conhece muito bem. Não vamos acreditar nesta recta final em jogos fáceis e com o Marítimo muito menos», perspectivou, lembrando, também, a obrigatoriedade dos visitantes em ganhar «para ter ainda possibilidades de chegar à UEFA».