Gerou-se de imediato uma enorme confusão, quando o árbitro não validou o golo, porque a bola não ultrapassou totalmente a linha, e o jogo terminou mesmo com um empate, que beneficiou o Aparecidense, já que, em caso de derrota, não teria hipótese de passar à próxima fase.

Perante a fúria do adversário, o massagista teve de correr para o balneário e depois refugiu-se num baú. Mesmo assim, garante que não se arrepende. «Quando vi que a bola iria entrar, tirei em cima da linha. Não me arrependo. Não queria que a Aparecidense fosse eliminada», confessou aos jornalistas.

O caso promete ainda fazer correr muita água na secretaria.