No plantel actual, há apenas um sobrevivente dessa proeza, o lateral Carlitos, que viu a vitória do banco e não se importava de a repetir, no próximo sábado, apesar dos contextos completamente diferentes.

«São competições distintas entre equipas que também já não têm nada a ver uma com a outra. O que não muda é aquilo que precisamos de fazer: jogar com concentração, aproveitar eventuais erros do Sporting e tentar não os cometer na nossa defesa. É preciso ter muito cuidado com o ataque deles, onde há grandes jogadores, e para isso temos de contrariar o meio-campo adversário, para que não consiga meter bolas na frente», afirma o defesa navalista.

Carlitos sabe o quão motivante podem ser estes encontros mas isso por si só não basta: «É um jogo diferente, mais mediático, mas esse estímulo não é suficiente. É necessário perceber o jogo do adversário e saber contrariá-lo.»

O facto de ter sido durante muito tempo o único jogador local do plantel - este ano tem a companhia de Zé Mário - dá ao lateral navalista um estatuto especial, que Carlitos relativiza embora assuma «com orgulho». Aquilo que não esconde é que esta está a ser uma das suas melhores temporadas de sempre: «Tenho jogado mais, mas isso, claro, depende sempre do treinador. Tem sido uma época positiva, sem dúvida.»

Como defesa, a sua relação com o golo é de algum distanciamento mas algum dia haverá de acontecer. «Na hora certa, irá aparecer. Em Alvalade? Não tenho pressa. Desde que consiga cumprir o meu papel e trabalhar para a equipa, o resto vem com naturalidade.»

Dudu e Bolívia mais um jogo de fora

Ulisses Morais continua a ensaiar a estratégia para surpreender o leão. Dudu e Bolívia vão ficar de fora mais uma semana, assim como Kovacevic, apesar de já ter começado a integrar os treinos.

Para o onze, o técnico tem hesitado quando ao jogador que irá ocupar o lado esquerdo da defesa. Caso opte por trocar Daniel Cruz por Baradji, haverá uma vaga aberta no meio-campo, possivelmente para a entrada de Gilmar ou de Alexandre Hauw.