Quique Flores, treinador do Benfica, apresentou-se na sala de imprensa do Estádio da Luz para falar com os jornalistas. O técnico recordou as oportunidades falhadas pelos encarnados ao longo do encontro, lamentando a derrota final frente à Académica de Coimbra (0-1):

«Sim, o título está mais difícil. O título começa a ficar bastante longe, mas temos de continuar, representamos um grande clube. Temos de continuar com grande força até final, há outros objectivos pelo meio. Continuo a pensar que o objectivo do título é possível, mas muito difícil. O objectivo da Champions está difícil, mas é possível. Não significa ser conformista, apenas realista. Ainda faltam seis jornadas, mas estamos em condições de jogar pelo segundo lugar. Foi uma época de nos habituarmos a muitas coisas novas, estamos satisfeitos por trabalhar num clube como o Benfica. Não podemos pedir muito mais.»

Sobre a tristeza dos jogadores: «Foi um jogo que nos deixou amargurados. Quando vemos duas ou três situações falhadas da forma como aconteceram, percebe-se que vai ser complicado. Tivemos posse de bola, mas não conseguimos marcar. É assim o futebol. Todos os jogadores tiveram oportunidades de golo, estivemos a contabilizar isso no balneário. Se conseguirmos jogar bem e ganhar, melhor. Mas o resultado é sempre o mais importante. Os jogadores deram tudo para alcançar a vitória, dão tudo para servir este clube.»

Sobre a arbitragem: «Todos se equivocam, todos os que estão no futebol. Um ano depois de sair de Espanha, já aprendi muito. Em Espanha fui muito incompreensível em relação aos árbitros, mas agora já vejo as coisas de maneira diferente. De qualquer forma, respeito a minha função e o trabalho dos árbitros. Não coloco a questão em termos de não termos vencido por causa do árbitro, mas há lances que mudam a história de um jogo.»