«Foi muito fácil adaptar-me a todos os aspectos da vida do Benfica», disse o jogador, em entrevista ao site da FIFA. «Temi que as coisas que não corressem assim tão bem. Sabia que não ia ter problemas com a língua, mas tudo o resto era incerto», acrescentou.

Mesmo em termos tácticos, Ramires garante estar perfeitamente à vontade, com Jorge Jesus e Dunga a atribuir-lhe funções idênticas. «No Cruzeiro jogava mais recuado, a surpreender as equipas adversárias com corridas em profundidade. No Benfica assumo mais uma função de ala direito, com funções atacantes e defensivas. É semelhante com aquilo que faço na selecção», explica.

Com Brasil e Portugal integrados no mesmo grupo do Mundial 2010, Ramires aguarda com ansiedade pelo duelo, ainda que não queira dar como garantida a inclusão na lista de Dunga. «Antes de mais é preciso garantir um lugar. Não posso pensar no jogo com Portugal antes de saber se vou estar na África do Sul ou não», disse o médio, que ainda assim faz elogios à equipa das quinas: «Para além do Ronaldo e do Deco, eles têm jogadores como o Ricardo Carvalho, o Simão Sabrosa e o Liedson, que construiu uma carreira de sucesso por aqui. Penso que todos concordam que as duas equipas podiam defrontar-se mais tarde, numa meia-final ou mesmo na final. Seria bom para todos.»