Ricardo Quaresma diz-se feliz com a homenagem que lhe foi feita esta tarde no edifício dos Paços do Concelho de Vila Nova de Gaia, onde acorreram largas centenas de fãs, e revela compreensão para com a insatisfação de muitos adeptos nortenhos por não terem podido receber no Porto a Seleção Nacional, após a conquista do campeonato da Europa, o que deu origem a uma petição com mais de 16 mil assinaturas.

«Estou feliz por as pessoas continuarem a admirar-me e a respeitar-me. Esta é a minha cidade, a cidade onde vou viver. [Respondendo a uma pergunta sobre se o povo do Norte gostaria de ver a seleção e a taça de campeão da Europa] Acredito que a Federação Portuguesa de Futebol vai tratar disso. Não sou eu que tenho de estar a falar. O mais importante para mim é estar aqui hoje. Não sei se é o momento mais alto da minha carreira, mas é muito importante. Não é todos os dias que se ganha o Campeonato da Europa. Já ganhei a Liga dos Campeões, mas não é a mesma coisa. O teu país é o teu país. Quando falarem na seleção vão-nos sempre recordar e isso deixa-me feliz», disse Quaresma, prosseguindo em seguida num tom mais bem humorado a algumas perguntas dos jornalistas.

Leva a sério a petição dos franceses para repetir a final do Euro? «Eu já estou de férias...» Já confirmou se a medalha é mesmo de ouro? «Ainda não tive tempo, mas vou a uma ourivesaria ver», respondeu Quaresma, que teve ainda de comentar um dos momentos inusitados da final do Europeu, quando agarrou o pescoço do central francês Koscielny: «Provocação ou brincadeira?

Brincadeira não é, mas não foi nada sério. Foi um momento…»