Os treinadores de Trofense, Tulipa, e Nacional, Manuel Machado, em declarações na sala de imprensa após o encontro da 24ª jornada da liga, que terminou numa vitória madeirense por 2-1:

Tulipa

Temos de analisar bem as coisas e não podemos fugir às nossas responsabilidades. O que fizemos na primeira parte não foi suficiente, a nossa estratégia não foi boa. Depois, em duas situações que me pareceram faltosas, o adversário fez os golos. Há mérito do Nacional também e até tínhamos identificado a sua forma de jogar. Agora, na segunda parte voltámos à nossa identidade. Tirámos um jogador [ Valdomiro] que tem sido muito importante, que está com quatro cartões amarelos e fez um grande sacrifício para jogar. Mas o desenrolar do jogo fazia-nos crer que iria haver casos. Na segunda metade, a equipa entrou bem, houve mais entreajuda, reduzimos o espaço ao Nacional e, com alguma sorte, podíamos ter dado justiça ao resultado. A equipa percebeu que as decisões iam ser contrárias, mas serve para fortalecer o grupo. Vão ser seis batalhas importantíssimas. Queremos manter-nos, porque o clube merece. É novo, mas não se pode maltratar os bons clubes, os cumpridores. Hoje houve dualidade de critérios»

[ sobre se as palavras de Manuel Machado, antes do jogo, influenciaram o juiz Cosme Machado] «Não sei, mas esqueceu-se de dizer que este era o árbitro que, quando havia alterações às leis, ia esclarecer as equipas de Manuel Machado. Pareceu-me que, na fase inicial, o árbitro estava demasiado nervoso e sempre a decidir para o outro lado.»

Manuel Machado

«Não esperava sofrer tanto na parte final. Fizemos uma primeira parte muito boa, com futebol bem desenhado e jogado Chegámos ao 2-0 e podíamos ter feito mais. O segundo tempo foi diferente. O Trofense não tinha nada a perder e reduziu com alguma justiça. Foi uma vitória justa, mas sofrida. O Nacional pode chegar à Europa. Não tínhamos esse objectivo no início de época, mas assumimo-lo quando fizemos 25 pontos. Estamos a tentar dobrá-los.»

[ acerca da possibilidade de chegar ao terceiro lugar] «Não vamos estar a criar situações quem em Portugal são pontuais. É muito difícil um clube desta natureza intrometer-se entre os grandes. Vamos tentar ficar nos cinco primeiros e obter uma qualificação internacional.»