«Jogar em tais condições é um risco para a integridade dos jogadores. Um dia vai morrer alguém, e quando isso acontecer, vamos ver quem assume a culpa», disse Fernando Signorini, preparador físico da selecção argentina.

O adjunto de Maradona diz mesmo que aconteceram «coisas estranhas» no jogo de La Paz, cidade situada a 3600 metros de altitude. «Não é normal o Messi marcar um livre e parecer um principiante, nem o Angeleri dar um pontapé e passar a quarenta metros da baliza», disse Signorini, que deu ainda um exemplo pessoal: «Quando cheguei ao estádio, subi umas escadas com 21 degraus e a minha pulsação chegou aos 110, quando normalmente atinge os 70.»