Detido numa prisão no Paraguai, Ronaldinho Gaúcho cumpre este sábado 40 anos. Embora não tenha perdido o sorriso, o antigo futebolista tornou-se uma sombra do que foi.

O ex-internacional brasileiro começou por destacar-se no futsal antes de mudar para o Grémio. Depois de se ter estreado pelo Brasil, Ronaldinho reforço o PSG e começa a mostrar o que vale. A estada em Paris fica marcada por momentos espantosos em campo e por noitadas. Pelo meio, sagra-se campeão do mundo pelo Brasil.

Os melhores momentos de Ronaldinho no PSG:

Chega a Barcelona e explode. A mudança de direção, a aceleração, a bola colada ao pé, a vírgula, a pedalada, enfim, Ronaldinho exibe uma panóplia de recursos técnicos poucas vezes vista num relvado. Chega ao céu e entra para o lote restritos da lendas ao ser eleito por duas vezes o melhor jogador do mundo. 

Mas Ronaldinho era capaz de mais e de melhor. Em pleno Santiago Bernabéu, o astro brasileiro dizimou a defesa do Real Madrid, marcou dois golos e saiu de campo aplaudido de pé pelos exigentes adeptos merengues. No ano seguinte, em 2006, chegaria a primeira e única Liga dos Campeões da carreira. 

A exibição que levou o Bernabéu a render-se a Ronaldinho:

 


Pep Guardiola dispensou-o do Barcelona e Ronaldinho tentou recuperar o sorriso em Milão. Encantou a espaços, mas nunca mais foi o mesmo. A partir daí foi sempre a cair: Flamengo em 2011, Atlético Mineiro, Querétaro e Fluminense em cinco anos. Ainda juntou uma Libertadores ao currículo, celebrada ao serviço do Galo, e acabou a carreira sem nunca o anunciar.

40 anos sempre a sorrir. Veja os momentos marcantes da carreira do gaúcho na galeria associada.