Maisfutebol

Espanha: as jogadoras

1
LOLA GALLARDO (getty)

LOLA GALLARDO

Data de Nascimento: 10.06.1993

Posição: Guarda-redes

Clube: Atlético Madrid

Tem a infelicidade de jogar ao mesmo tempo que Sandra Paños. As lesões, o tempo que passou no banco do Atlético de Madrid, e a mudança para o Lyon, onde não se conseguiu impor, também jogaram contra si. Ainda assim anda sempre com um sorriso na cara, e trabalha incansavelmente para mudar mentalidades. Lola fala publicamente e abertamente sobre a sua homossexualidade, algo que ainda não é muito consensual em Espanha.

«Tenho uma história de vida e uma família que tornou tudo fácil para mim, que é como devia ser sempre. Eles gostam de ver que eu estou feliz, e isso é o mais importante», refere.

Nada abala a alegria de viver que Gallardo leva para a seleção espanhola.

2
ONA BATLLE (getty)

ONA BATLLE

Data de Nascimento: 10.06.1999

Posição: Lateral

Clube: Manchester United (Inglaterra)

Pode ser considerada a grande sobrevivente da seleção espanhola. A catalã decidiu dar um novo rumo à carreira na pior altura possível: durante a pandemia de covid-19. Um novo país, uma nova língua, um novo campeonato, novas amizades… e uma lesão a tornar tudo ainda mais difícil, depois de assinar pelo Manchester United, em 2020. De tal forma que começou a ser acompanhada por um psicólogo em Inglaterra. «É curioso: falar dos meus sentimentos numa língua que não a minha, revelou-se fácil», referiu.

Embora tenha estado impedida de viajar para Espanha durante a pandemia, Batlle deve chegar ao Europeu como titular. Nada a pode parar.

3
LAIA ALEIXANDRI (GETTY)

LAIA ALEIXANDRI

Data de Nascimento: 25.08.2000

Posição: Defesa Central

Clube: Atlético Madrid

É uma das jogadoras mais jovens da seleção espanhola, mas já com vários capítulos na carreira. O primeiro dos quais foi a decisão de deixar o Barcelona por falta de oportunidades. «As primeiras jogadoras que saíram da equipa B não foram levadas a sério. A formação foi ignorada, não tivemos oportunidades. A Ona Battle, a Berta Pujadas, a Paula Fernández, eu… Depois disso perceberam que tinham grandes jogadoras, que não podem deixar fugir por entre os dedos», justificou.

O desafio no Atlético era substituir Mapi León e Andrea Pereira. Missão cumprida! Hoje em dia ninguém pensa no regresso dessas jogadoras, mas Laia acaba de assinar pelo Manchester City.

4
IRENE PAREDES (getty)

IRENE PAREDES

Data de Nascimento: 04.07.1991

Posição: Defesa Central

Clube: Barcelona

Uma verdadeira líder, que dá tudo em campo. Uma montanha de trabalho. Desde o ano passado que concilia o trabalho em campo com um dos papéis mais especiais na vida: criar um filho. É um desafio ao qual se dedica com a mesma paixão e carinho, bem visível quando está fora do campo. Essas qualidades convenceram o Barcelona a recrutá-la em 2021, quando era capitã do Paris Saint-Germain. «Quando é preciso tomar uma decisão dedico muito tempo a falar com as minhas colegas de seleção. Falaram-me muito bem do clube, do projeto. Foram uma grande influência na minha decisão», assumiu. Foi campeã espanhola e finalista da Liga dos Campeões na primeira época ao serviço do emblema catalão.

5
IVANA ANDRÉS (GETTY)

IVANA ANDRÉS

Data de Nascimento: 13.07.1994

Posição: Defesa Central

Clube: Real Madrid

Ficará para a história do futebol feminino espanhol como a primeira capitã do Real Madrid. «Orgulhosa de fazer parte deste grupo e de viver estes momentos que vão fazer parte da história do jogo em Espanha», disse em julho de 2020.

Vale a pena lembrar a forma curiosa como tudo começou: após passar um dia inteiro aos pontapés a garrafas, os pais decidiram levá-la ao clube local, o Aielo CF.

Após nove anos no Valência e dois no Levante tornou-se capitã do Real Madrid.

6
Aitana Bonmatí (getty)

AITANA BONMATÍ

Data de Nascimento: 18.01.1998

Posição: Médio

Clube: Barcelona

Para apresentar a jogadora do Barcelona é importante começar pela história do seu nome: Bonmatí, o primeiro dos dois apelidos, foi herdado da mãe. Em Espanha o mais habitual é colocar o apelido do pai primeiro, mas a família foi pioneira ao trocar a ordem. «Em muitas situações as mulheres são colocadas num papel secundário. Eu nunca deixei que me colocassem de lado», diz Bonmatí.

Uma batalhadora de 1,58 metros, nunca deixou que a sua estatura fosse um obstáculo.

Xavi Hernández foi sempre uma inspiração, e, tal como o campeão mundial, fez toda a carreira no Barça, a jogar ao estilo de Cruyff. Com tanto sucesso que foi eleita a melhor jogadora da final da Liga dos Campeões 2020/21.

7
IRENE GUERRERO (getty)

IRENE GUERRERO

Data de Nascimento: 12.12.1996

Posição: Médio

Clube: Atlético Madrid

Na base da sua história está uma determinação inabalável em busca do sucesso. Adepta do Betis desde sempre, teve de deixar essa lealdade de lado, ao começar a jogar pelos rivais da cidade. «Estou grata ao Sevilha por tudo o que me deu, mas quando o Betis montou a equipa feminina, eu não hesitei em assinar», explica.

Descoberta por Rafael Gordillo, lenda do clube, construiu um nome no Betis. As conquistas são todas dedicadas aos pais, ambos em cadeiras de rodas: «Apesar de tudo o que viveram, não se deixaram abalar pelas circunstâncias adversas. Pelo contrário: isso fê-los mais fortes.»

8
Mariona Caldentey (GETTY)

MARIONA CALDENTEY

Data de Nascimento: 19.03.1996

Posição: Avançada

Clube: Barcelona

É a personificação de felicidade. Tem sempre um sorriso no rosto. Até quando está lesionada, ou mesmo sabendo que teve de ultrapassar recentemente a morte do pai. «Era um pilar de força na minha vida. A minha paixão pelo futebol veio dele. Sinto falta de falar com ele a seguir aos jogos. A minha mãe não está tão por dentro do futebol», afirma.

Caldentey toca piano, um hobby que considera terapêutico, e que a ajudou durante o confinamento, longe da família, longe de Maiorca. «A minha avó, María, ensinou-me a tocar. Quando me sento ao piano lembro-me de casa, da família, da minha infância. Relaxa-me.»

9
ESTHER GONZÁLEZ (getty)

ESTHER GONZÁLEZ

Data de Nascimento: 08.12.1992

Posição: Avançada

Clube: Real Madrid

A grande lutadora da seleção espanhola. É aquilo que a tem caracterizado desde o início de carreira. Primeiro em Huéscar, terra natal, e depois em Villanueva de Algaidas, na região de Málaga. Duas vezes por semana tinha de fazer 500 quilómetros com o pai. Nunca desistiu.

Em 2019, mesmo com o estatuto de melhor marcadora da Liga espanhola, não conseguiu um lugar na convocatória de Jorge Vilda para o Mundial de França. Continuou a marcar, no entanto, e deu a volta à situação.

10
ATHENEA DEL CASTILLO (getty)

ATHENEA DEL CASTILLO

Data de Nascimento: 24.10.2000

Posição: Extremo / Avançada

Clube: Real Madrid

«No segundo em que me ligaram eu disse “adiós” a todas as outras equipas. Sou adepto do Real Madrid desde pequena. Eu pagava para jogar por este clube». Esta foi a resposta categórica de Athenea, quando lhe perguntaram sobre o futuro.

Foi uma revelação na última época, ao serviço do emblema «merengue», e foi também eleita a melhor jogadora da Taça Arnold Clark, disputada pela seleção espanhola. Curiosamente, só foi convocada para esse torneio por causa da lesão de Mariona Caldentey, mas aproveitou a ocasião para se afirmar. Antes deste Europeu mostrou ao selecionador tudo aquilo de que é capaz.

11
MARTA CARDONA (GETTY)

MARTA CARDONA

Data de Nascimento: 26.05.1995

Posição: Avançada

Clube: Real Madrid

Arrasou na Liga espanhola em 2021, mas uma lesão grave travou o progresso fulminante. «Tornei-me especialista em psicologia do desporto. Tive tantas sessões! Comecei a ter cabelos brancos. Quando acontecem coisas destas, aprendes a valorizar o que tens», recorda.

A presença no Europeu esteve em dúvida, mas Jorge Vilda sabe do que ela é capaz. Marta quer recuperar o tempo perdido, e para isso vai buscar forças à imagem da Virgem Maria que tem nas caneleiras.

12
PATRICIA GUIJARRO (getty)

PATRICIA GUIJARRO

Data de Nascimento: 17.05.1998

Posição: Médio

Clube: Barcelona

Se o selecionador Jorge Vilda tem uma jogadora preferida entre o grupo, é provável que seja Patri Guijarro. Foi convocada para o Mundial 2019, disputado em França, depois de uma longa ausência por lesão (um quisto no pé direito, que motivou duas operações). Sem tempo a perder, voltou à ação e deu nas vistas.

O regresso imaculado foi ajudado pelo conhecimento que tem do selecionador, com quem já tinha trabalhado em escalões mais jovens. «Temos muita crença nela. Foi a melhor jogadora do Mundial de sub-20», explicou Vilda.

Essa crença foi agora renovada.

13
SANDRA PAÑOS (getty)

SANDRA PAÑOS

Data de Nascimento: 04.11.1992 (29)

Posição: Guarda-redes

Clube: Barcelona

Filha de um antigo jogador (Luis Ernesto Paños) e de uma antiga atleta (Gemma García-Villamil), Sandra praticou vários desportos, e gostou particularmente de karaté. Na escola acabou por destacar-se como guarda-redes e assinou pelo Sporting Plaza Argel de Alicante. Foi no Levante que se tornou profissional, mas depois o Barcelona não deixou escapar a oportunidade de recrutá-la, e já não restam dúvidas de que escolheu o desporto certo.

A Espanha tem a baliza entregue a uma jogadora de classe mundial: em 2021 foi eleita a melhor guarda-redes do mundo pela Federação de História e Estatística do Futebol (IFFHS) e nomeada para a Bola de Ouro.

Mudou a forma como Espanha olha para as guarda-redes do futebol feminino.

14
AMAIUR SARRIEGI (getty)

AMAIUR SARRIEGI

Data de Nascimento: 13.12.2000

Posição: Avançada

Clube: Real Sociedad

A sua história reflete a de muitas colegas. A paixão pelo futebol cresceu a ver os irmãos jogar. «Quando a bola vinha parar aos meus pés eu ficava maluca», recorda.

Natural de San Sebastián, teve de jogar no rival Athletic para lançar a carreira, em 2017, mas três anos depois foi recuperada pela Real Sociedad. Em poucos meses passou da segunda divisão para figura da Real. «Os meus amigos todos vieram ver-me. Foi uma emoção», referiu.

Com apenas 20 anos chegou à seleção espanhola. Com 1,73 metros de altura, é capaz de cobrir uma larga área de terreno no ataque.

15
LEILA OUAHABI (getty)

LEILA OUAHABI

Data de Nascimento: 22.03.1993

Posição: Lateral esquerdo

Clube: Barcelona

É a jogadora mais exótica da seleção espanhola: nasceu na Catalunha, filha de pais marroquinos, tem uma tatuagem no pescoço com o nome em árabe e é influenciada pelas visitas a Tânger para visitar a família.

Apesar disso recusou as tentativas marroquinas para recrutá-la e prometeu fidelidade a Espanha, em 2016. Sabia que o trajeto, no país natal, seria mais suave, sem obstáculos no caminho. «Se tivesse nascido em Marrocos talvez não jogasse futebol. Teria sido difícil», diz.

Vai deixar o Barcelona neste verão, após doze anos no clube, em dois períodos. Assinou pelo Manchester City. 

16
Mapi León (getty)

MARIA PILAR (MAPI) LEÓN

Data de Nascimento: 13.06.1995

Posição: Defesa Esquerdo / Defesa Central

Clube: Barcelona

Uma artista com os pés e com as mãos, já que, para além de futebolista, é também tatuadora. Tem, de resto, vários desenhos da sua autoria no corpo. «É a minha outra paixão: desenhar e tatuar. Batalhei muito para encontrar um estúdio onde pudesse aprender, e devo isso a um amigo. Comecei em carne de porco e pele sintética, mas não é a mesma coisa. Quando desenhas a tatuagem tens de saber se não estás a carregar muito, a magoar a pessoa», explica Mapi, que começou a praticar na sua própria pele. «É por isso que não tenho tatuagens no braço direito! Não me interessa se fica bem ou não. Sei que é a minha pele», acrescenta.

No Barcelona desde 2017, já ganhou três Ligas espanholas e uma Liga dos Campeões.

17
LUCÍA GARCÍA (getty)

LUCÍA GARCÍA

Data de Nascimento: 14.07.1998

Posição: Avançada

Clube: At. Bilbao

Só começou a jogar aos 14 anos. Não havia nenhuma equipa na terra natal, mas um professor encorajou-a a ir treinar ao Oviedo. Até então jogava apenas com os irmãos na rua. «Se não os tivesse lá, chutava a bola contra a parede. Depois, aos 14 anos, saía de casa às seis da manhã, apanhava o autocarro para a escola, depois ia de comboio para o treino, e não regressava a casa antes da meia-noite». Está agora a colher os frutos de todo esse esforço.

18
TERESA ABELLEIRA (GETTY)

TERESA ABELLEIRA

Data de Nascimento: 09.01.2000

Posição: Médio

Clube: Real Madrid

A paixão pelo futebol está nos genes. O pai é um treinador bem conhecido na Galiza, e o irmão, também futebolista, chegou a estar próximo do Real Madrid. Acabou por ser Teresa a jogar no gigante espanhol, e é agora uma figura essencial no Estádio Alfredo di Stéfano.

A sua referência é Vera Boquete, também galega, mas Teresa também admirava Andrea Pirlo, e procura imitar a forma como o italiano procurava a bola.

«Não vemos jogadoras com a habilidade dela todos os dias. Quando ela recebe a bola, eleva o jogo para outro patamar», chegou a dizer o selecionador, Jorge Vilda.

19
OLGA CARMONA (GETTY)

OLGA CARMONA

Data de Nascimento: 11.06.2000

Posição: Lateral

Clube: Real Madrid

Uma das jogadoras mais talentosas do futebol espanhol. Estreou-se pelo Sevilha aos 15 anos de idade, e desde então tem sido muito regular. «O meu pai inscreveu os meus irmãos no futebol, e eu ia vê-los treinar todas as noites. Acabei a desejar tanto jogar também que perguntei a mim mesma: “Porque não vou lá treinar com eles?”», recorda.

Foi uma contratação sonante do Real Madrid, em 2020, e uma das maiores promessas do futebol espanhol. Aos 21 anos tem um futuro brilhante pela frente.

20
ANDREA PEREIRA (getty)

ANDREA PEREIRA

Data de Nascimento:19.09.1993

Posição: Defesa

Clube: Barcelona

É a mente jurídica da seleção espanhola. «Desde que eu era pequena que a minha mãe dizia que eu ia ser advogada das pessoas sem privilégios. Estudei Gestão de Empresas, mas depois ganhei o “bichinho” do Direito», explica. Conciliar os estudos com os compromissos do Barcelona e da seleção espanhola nem sempre foi fácil, até porque às vezes tem exames quando está em jogos internacionais.

«Desta vez tenho de tomar o pequeno almoço sozinha, pois vou ter um exame quando as minhas colegas estiverem a comer. Felizmente é online, por causa da covid-19», contou em tempos. Um outro dia teve exame de Direito Criminal e só depois é que foi a correr para o treino. Andrea tem tempo para tudo.

21
SHEILA GARCÍA (getty)

SHEILA GARCÍA

Data de Nascimento: 15.03.1997

Posição: Avançada

Clube: Atlético Madrid

Tão implacável em campo como fora dele: «Temos de deixar de usar o termo “futebol feminino”. Os campos e as regras são os mesmos», defende.

Começou a jogar a extremo, mas depois tornou-se lateral, muito por causa da altura, e isso acabou por catalisar a sua afirmação na seleção espanhola, com Jorge Vilda.

Em 2019 foi acusada de usar linguagem racista, num jogo com o Barcelona, mas essa acusação nunca foi provada. Sheila recebeu o apoio de várias personalidades do desporto, incluindo a treinadora Irene Ferreras: «A Sheila é a jogadora mais honrada que tive a felicidade de orientar.»

22
CLÀUDIA PINA (getty)

CLÀUDIA PINA

Data de Nascimento: 12.08.1991

Posição: Avançado

Clube: Barcelona

A estrela precoce do futebol espanhol. Começou no futsal, mas foi rapidamente descoberta pelo Espanhol. O Barcelona não demorou muito a roubar esta peróla ao rival, e Claudia marcou logo uma centena de golos em 20 jogos, na formação.

Em 2018 foi campeã do mundo de sub-17, no Uruguai, e recebeu a Bola de Ouro do torneio. Quatro depois é apontada como uma possível vencedora da Bola de Ouro de melhor jogadora do mundo. Alexia Putellas tem uma candidata ao seu treino logo ali ao lado.

23
MARIA ISABEL (MISA) RODRÍGUEZ - GETTY

MISA RODRÍGUEZ

Data de Nascimento: 22.06.1999

Posição: Guarda-redes

Clube: Real Madrid

Em 2020 surpreendeu ao trocar o Deportivo pela recém-criada equipa feminina do Real Madrid, mas passou de incerteza a estrela em dois anos. Foi vítima de comentários preconceituosos nas redes sociais, ao publicar uma montagem com uma fotografia sua ao lado de uma imagem de Marcos Asensio, jogador da equipa masculina do Real Madrid, com a legenda: «A mesma paixão». O futebol espanhol uniu-se no apoio à jogadora, a começar pelo próprio Asensio. «A mesma paixão. Não deixes que nada, nem ninguém, te impeçam de dizer o que pensas», escreveu o jogador, ao partilhar a mesma imagem.

 

Textos originais de Amalia Fra, que escreve para o AS.

Maisfutebol
Uruguai: o guia 11 nov, 18:42
Gana: o guia 11 nov, 15:09
Brasil: o guia 10 nov, 21:39
Qatar: o guia 7 nov, 10:43
Alemanha: o guia 25 jun, 00:45
Bélgica: o guia 25 jun, 00:00
Áustria: o guia 24 jun, 14:13
França: o guia 24 jun, 00:00
Portugal: o guia 23 jun, 20:41
Suécia: o guia 23 jun, 00:00
Suíça: o guia 23 jun, 00:00
Polónia: a análise 11 jun 2021, 23:48
França: a análise 11 jun 2021, 13:53
Espanha: a análise 11 jun 2021, 00:00
Eslováquia: a análise 11 jun 2021, 00:00
Escócia: a análise 10 jun 2021, 22:40
Croácia: a análise 10 jun 2021, 22:39
Inglaterra: a análise 10 jun 2021, 22:39
Portugal: a análise 10 jun 2021, 22:01
Suécia: a análise 10 jun 2021, 21:14
Ucrânia: a análise 10 jun 2021, 01:20
Áustria: a análise 10 jun 2021, 01:19
Rússia: a análise 9 jun 2021, 00:11
Finlândia: a análise 9 jun 2021, 00:10
Suíça: a análise 8 jun 2021, 00:11
Turquia: a análise 8 jun 2021, 00:11
Finlândia 7 jun 2021, 00:24
Escócia 7 jun 2021, 00:23
Suíça 7 jun 2021, 00:23
Suécia 7 jun 2021, 00:23
Dinamarca 7 jun 2021, 00:23
Espanha 7 jun 2021, 00:22
Ucrânia 7 jun 2021, 00:22
Itália 7 jun 2021, 00:22
Países Baixos 7 jun 2021, 00:22
Turquia 7 jun 2021, 00:21
Bélgica 7 jun 2021, 00:21
País de Gales 7 jun 2021, 00:20
Macedónia do Norte 7 jun 2021, 00:20
Rep. Checa 7 jun 2021, 00:20
Polónia 7 jun 2021, 00:20
Áustria 7 jun 2021, 00:19
Croácia 7 jun 2021, 00:19
Hungria 7 jun 2021, 00:19
Rússia 7 jun 2021, 00:19
Alemanha 7 jun 2021, 00:18
Eslováquia 7 jun 2021, 00:18
Inglaterra 7 jun 2021, 00:18
França 7 jun 2021, 00:17
Portugal 20 mai 2021, 23:45
100 anos do Sp. Braga 18 jan 2021, 23:51